Crianças e jovens com um desenvolvimento psicológico mais saudável só traz vantagens!

O que esconde a vontade de querer convencer?

By Antonio Valentim • July 1, 2014 • Filed in: Ansiedades, Encarregados de Educação

Ao tentar convencer alguém o que é que a pessoa tenta colmatar em si própria? O que é que ainda não desenvolveu nela? Quais são os perfis de Convencer 1personalidade mais destabilizadores onde gostam de ser convincentes?

Por outro lado, qual será o impacto psicológico desta tentativa no outro, incluindo na criança e no jovem? Mesmo com boas intenções o que é que não está certo na tentativa de convencer? Onde se encontram os limites?

Qual será então a melhor forma de abordar, de apresentar, as minhas ideias ou o meu pensamento ao outro?

Convido-o a ler o artigo para obter respostas a estas perguntas e a outras mais.

A nossa sociedade, de forma geral, recomenda o convencer, que equivale a ser eficaz na vida. Que sonho, que sucesso ser convincente! Porém é mais uma destabilização, uma ineficácia, um desperdício e um perigo. Mas porquê? Porque convencer é promover o pensamento único. Tentar convencer alguém é uma violência, é uma atitude de 2222 poder sobre o outro. Mesmo com boas intenções significa negar o que ele pensa para substitui-lo pelo meu pensamento. Isso é-lhe psicologicamente destruidor, enfraquece-o mentalmente. Um pensamento, um ponto de vista apoia-se no que há de mais íntimo na pessoa e contradizê-la, opor-se a ela, é golpear num sopro a sua integridade íntima. Mas como atuar então?

Em vez de impor as ideias será melhor partilhar ideias diferentes e deixar a pessoa desenvolver esse conjunto de ideias, de informação e aproveitar aquela que lhe for mais conveniente. Partilhar uma informação com bastante clareza e respeito para que ela possa ser acrescentada ao seu pensamento, 3sem que seja negada a dela, é uma atitude humana de respeito e muito mais eficaz. Quando a pessoa se sente primeiro respeitada e depois se lhe propõe ideias diferentes, mas sem a criticar nem a julgar pelo que ela possa pensar, a pessoa sente-se aceite, toma mais consciência das diferenças e deixa-se mais facilmente encaminhar pelo caminho da sua maturação incorporando uma ou outra informação diferente. Não integra ideias simplesmente para agradar ao outro ou por receá-lo. A pessoa não está a tentar ser outra mas sim a crescer em sintonia com ela própria, sendo ela própria, e evoluindo como pessoa distinta e coerente.

Quem pretende convencer é porque não se sente seguro! Tenta por essa via, inconscientemente, aliviar o seu medo do diferente, do que é desigual a ele próprio. A confrontação com o diferente provoca-lhe o4444 medo de estar só. O paradoxo é que a sua certeza e o pensamento único reenvia-o para a solidão, confirma-a. Solidão essa de que tanto tenta fugir mas que se ativa mais ainda. E porquê este resultado oposto? Justamente porque agarrando-se firmemente à sua certeza o outro deixa de existir. Ora para não estar só o outro tem também que existir. Tem que se manter presente. Para tal, é inevitável a aceitação da diferença, travar com o querer ser apenas um e não ficar atado à ilusão da aparência tranquilizadora da fusão.

A pessoa que aprendeu a se autoafirmar, que a desenvolveu saudavelmente, que tem respeito por si própria, que se sente segura, respeita também o outro e mais facilmente as suas ideias diferentes. Como consequência, permite que o outro se sinta compreendido, aceite e aumenta a possibilidade de valorizar mais as ideias diferentes que lhe foram apresentadas. Tudo isto também não significa que se tem que suportar as ideias do outro, mas considerá-las como uma riqueza que ajuda a ter uma visão diferente do mundo, como uma liberdade de escolha que se vai acrescentar à própria perceção das coisas e crescer com estas diferenças.

Aquele que fica furioso por não conseguir convencer, por o outro seguir o seu próprio caminho, é aquele que precisa mais de ajuda. Muitas vezes, o que acontece é que pensa que não foi ainda suficientemente convincente, que não foi bem compreendido e repete com mais veemência o mesmo, pensando que o outro é duro, difícil, de entender. Qual é o desfecho desta imposição? Ele resiste, opõe-se, desmotiva e, para mais, é ainda criticado por isso. E afinal é aquele que tenta convencer que tem problemas em não compreender, em não aceitar o outro pela sua diferença. Convencer não é nenhuma força 555mas sim uma fragilidade humana, uma imaturidade perante a realidade. Ao convencer encontra um meio para compensar a sua falta de autoafirmação, mas sem nunca a estruturar.

Esta falta de autoafirmação está presente no manipulador “perverso”, que é diferente da do manipulador socialmente aceitável. É normal levar uma pessoa próxima a tomar uma decisão que lhe convém melhor. Assim, cada um a seu modo, é também um pouco manipulador. Porém, o manipulador “perverso” é cínico, cruel, nunca está satisfeito, não respeita o outro, utiliza-o sem escrúpulos em seu proveito. Não há nele a capacidade de se colocar no lugar do outro, de perceber o seu sofrimento e de parar com as suas atitudes devastadoras. Não desenvolveu as estruturas mentais necessárias para refletir sobre as consequências das suas ações sobre o outro. Apesar de ter um corpo de adulto ainda se mantém criança em muitos aspetos. 

Na verdade o objetivo principal do manipulador “perverso” é inconsciente e é o de se proteger, ou seja, conseguir uma segurança que nunca alcançou enquanto criança. Tenta demonstrar que o outro está errado para o enfraquecer. Opõe-se a tudo o que o outro lhe diz para o destabilizar e assim sentir-se mais forte. Ao enfraquecer o outro o manipulador “perverso” procura desencadear o seu próprio sentimento de segurança. Só que os sentimentos são de curta duração e depois volta novamente o estado de insegurança tornando-se num ciclo vicioso.

A falta de autoafirmação também está presente na pessoa que tenta ser útil. Quer ser indispensável mas não tenta compreender a pessoa. Segue a sua ideologia, os seus princípios, convencida que vai defender, que vai ajudar, o seu interlocutor. Porém, para um bom equilíbrio psicológico não se pode impor um conselho a alguém que não o pediu, que não o quer ou que não entende desta forma. É uma tentativa de convencer muito presente no “deves ou não deves fazer isto ou aquilo” ou ainda “é para o teu bem”. Ser útil, querer ajudar, é algo que se propõe e não que se imponha. Propõe-se um conselho mas sem nenhuma pressão respeitando o outro na sua decisão final.

Por muito que possa chocar alguns, esta visão mais humana também é válida para quem lida com crianças e com jovens. Em vez de quer convencer seria melhor preocupar-se, compreender a razão da criança/jovem e tentar propor algo baseado na razão que ele defende. Não se pode esperar que a criança ou o jovem oiça e aceite, de ânimo leve, o que se pretende dizer se lhe foi de antemão negado, desvalorizado ou destruído o que pensa, o que sente. 666 Dificilmente se constrói algo sobre destroços e o mesmo é valido para os pensamentos impalpáveis, certo, mas que existem e são bem reais na criança/jovem!

Mas o que fazer se a criança ou o jovem não aceitar nada, recusar tudo? Então será mais sensato tentar compreendê-lo, perceber melhor o que é que se está a passar com ele recorrendo a um profissional se for necessário.

Com boas intenções a pessoa que tenta ajudar, mas sem ter em conta a opinião do outro, sem compreendê-lo sem respeitá-lo, está inconscientemente também a compensar a sua própria falta de autoafirmação. A sua atitude de ajuda desencadeia nela o sentimento de ser indispensável. Uma sensação que lhe permite sentir-se momentaneamente valorizada. Mais uma vez, está-se perante um sentimento de curta duração e num ciclo vicioso que não contribui para o bem-estar de ninguém.

Atualmente há formas de se libertar deste impulso, desta vontade, de querer convencer e que arrasta tanto sofrimento inútil. Algo presente em todas as áreas, desde as profissionais, as familiares, as íntimas com o outro e  8com a própria pessoa… Este último ponto, o de se convencer a si própria, é na prática clínica muito recorrente e merece um pequeno desenvolvimento, ou seja, são “coisas”, pensamentos, com que no fundo se discorda, que não se aceita bem, que não são aqueles que a pessoa verdadeiramente sente, mas que se impõe a si própria por razões sociais, por corresponder ao conformismo entre outras possíveis causas. Forçosamente, esta posição conduz a pessoa a ficar atrelada a sentimentos de culpa desestabilizadores que não a ajudam nem psicologicamente na relação com os outros nem a ser ela própria.

Numa relação, em vez de uma pessoa querer sempre convencer o outro ou a si própria seria melhor tentar perceber o que é que se passa, quais são as mágoas que arrasta, quais são as feridas a sanar, do que é que anda a fugir inconscientemente sem se aperceber e que a torna tão insegura?

                Workshops Disponíveis9999

Existem “ferramentas”, diversas soluções, estratégias práticas e eficazes retiradas da experiência, que se podem personalizar e serem ensaiadas na sessão.

Não fique a viver situações dolorosas quando atualmente existem formas saudáveis para as ultrapassar!

                                                                       Veja clicando aqui

Próximo artigo a ser publicado:

O próximo artigo a ser publicado envolverá uma perspetiva diferente sobre a promessa. Será boa ideia transmitir à criança que uma promessa é para se cumprir? Quantos vigaristas, embusteiros, que juram com a mão no peito, olhos nos olhos, honram o compromisso assumido? Que desilusão para quem foi educado na confiança! Qual é a melhor forma para se prevenir ou evitar situações destas? Como abordar uma promessa para com uma criança?

Convido-o a ler o próximo artigo a ser publicado para obter respostas a estas perguntas e a outras mais.

Aconselha-se a ler também, no mesmo site, os artigos intitulados:

Depressão ou Estado Depressivo Passageiro

Mais razões importantes para consultar ou ter um apoio psicológico  

Buy steroids online
sibutramina 20mg
homeopathic remedies for migraine
dynamic aqua sens

Comments

Mais um fantástico artigo que nos ajuda a compreender este fenómeno (que nos caracteriza como seres humanos que somos) do “tentar convencer/impor ao outro” e das suas implicações no bem-estar emocional e psicológico do ser humano.
Mais uma vez parabéns e um muito obrigado amigo António pela partilha!

By mdefatima on April 2nd, 2015 at 6:36 pm

Boa tarde

Gostaria de ter mais informações sobre;

6) Workshop – Confrontação com Personalidade Familiar Complicada.

Formas de pagamentos

mdefatima

Parabéns por seus artigos, Sr. Antonio Valentim! Estão sendo de grande esclarecimento e conscientização de mim mesma! Estou estudando tudo que posso. Um Grande Abraço

Muito bom…

 

Leave a Comment

« | Home | »